• FECHAR PUBLICIDADE
    Integrantes da Viradouro durante o desfile na Sapucaí.

    Ao levar a Bahia ao Sambódromo do Rio de Janeiro, a Unidos do Viradouro consagrou-se, nesta quarta-feira, campeã do Carnaval carioca. Assinado pelo casal de carnavalescos Tarcísio Zanon e Marcus Ferreira, o enredo De Alma Lavada homenageou o grupo musical baiano As Ganhadeiras de Itapuã, que faz samba de roda, para abordar o protagonismo feminino na história brasileira. A Vermelho e Branco de Niterói, como é conhecida a Viradouro, volta a levar o título depois de 23 anos —no ano passado, foi vice-campeã com um enredo sobre histórias encantadas—. A escola deixou para trás a Grande Rio, em segundo lugar, seguida de Mocidade, Beija-Flor, Salgueiro e Mangueira. União da Ilha e a Estácio de Sá foram rebaixadas ao Grupo de Acesso em 2021.

    O enredo da Viradouro já havia vencido na terça-feira (25/02) o Estandarte de Ouro —premiação de voto popular do jornal O Globo—. “A nossa vida mudou com esse desfile, não só pela mídia, mas pelo nosso próprio autoconhecimento. Nós entendemos que representamos milhões de mulheres que lutam todos os dias pela sobrevivência. Há um crescimento social nisso”, comentou Ivana Soares, produtora da banda As Ganhadeiras de Itapuã ao jornal baiano Correio.

    Com alegorias e fantasias luxuosas, a Viradouro foi uma das escolas que mais animou o público da Sapucaí, desde a comissão de frente, que trouxe uma atleta no nado sincronizado, Anna Giulia, como uma sereia em um aquário de sete mil litros de água. A ala das baianas, que representaram quituteiras, com saias bordadas com abarás, acarajés e tapiocas, jogou cocada para a arquibancada.

    Com influência do afoxé, ritmo baiano de matriz africana, nos batuques e na melodia, o samba da escola campeã cantou as mulheres escravizadas de Salvador, que, no século XIX vendiam comida e lavavam roupas na lagoa do Abaeté e, com o dinheiro arrecadado, compravam sua própria alforria e a de outras mulheres. Dessa história nasce o grupo d’As Ganhadeiras de Itapuã. Elas foram exaltadas no desfile como as “primeiras feministas do Brasil”.

    A Viradouro conquistou público, críticos e jurados ao aliar uma forte tradição cultural, com referências à ancestralidade negra, à atualidade de questões feministas. Foi uma lavada de alma e de bom gosto. Com a proposta de dar um mergulho na Lagoa do Abaeté e no mar de Itapuã, a Viradouro homenageou Oxum, tocando um ijexá —com um atabaque gigante no meio dos ritmistas— em diversos momentos do desfile. “Oh mãe, ensaboa, mãe”, cantava junto com a escola a arquibancada da Sapucaí.

    A Viradouro também mostrou a transformação dos terreiros em ateliês onde as mulheres realizavam manufaturas e fez um passeio pelas manifestações folclóricas que influenciaram o surgimento d’As Ganhadeiras de Itapuã. O desfile foi encerrado com o setor Os tesouros do Brasil, que homenageou outros grupos folclóricos formados por mulheres.

    Terminados a folia de momo, uma análise bem simples, mas que foram destaques neste Carnaval 2020. O Prefeito Daniel Marinho vem colhendo os frutos de uma boa administração focada no que ele sempre disse a sua equipe, os nísia-florestenses. Animação, segurança, valorização dos artistas da terra e o ponto mais alto, a popularidade do prefeito Daniel Marinho que transitou no meio dos foliões e em todo tempo era solicitado para fazer fotos, em agradecimento a bela administração que vem realizando.

    Nosso editor conversou por telefone com o prefeito que disse: “Karlosilva! Fizemos o nosso melhor, a nossa equipe priorizou os artistas da nossa terra, segurança e muita, mas muita animação para os foliões. Quero ainda, de forma especial agradecer a toda nossa equipe que direta ou indiretamente fizeram acontecer esse que foi um dos melhores carnavais da nossa terra.”

    Questionei o prefeito sobre as ações para o ano de 2020 e ele disse: “Karlosilva! Vem muito trabalho por aí, a nossa gestão está focada na melhoria de vida dos nossos munícipes, temos problemas, mas estamos conseguindo fazer mais com menos e isso é visível no semblante dos nísia-florestenses.”

    Compartilhar em:

    25 fevereiro 2020
    KARLOSILVA

    A Mangueira foi a grande sensação da primeira noite de desfiles do Grupo Especial, no domingo (23). A agremiação contou a história de Jesus de uma forma moderna, abordou a relação com as minorias e encostou no polêmico assunto de intolerância religiosa.Já conhecida por seus posicionamentos políticos, a escola havia avisado que não tinha a intenção de falar explicitamente de política ou religião, mas sim contar a história de Cristo sob um outro olhar. E, de cara, colocou Evelyn Bastos para interpretar uma versão negra e feminina de Jesus.

    Evelyn, a princípio, usaria uma fantasia tradicional de rainha, mas acabou com um manto brilhoso cobrindo o corpo. Ela não sambou; em vez disso, usou uma coroa de espinho e interpretou o sofrimento de Jesus na véspera da crucificação.

    A comissão de frente conquistou o público de cara. Jesus apareceu de roupas jeans e rodeados de amigos – todos representando minorias – dançando e tirando selfies. Até que a polícia apareceu e colocou todo mundo na parede, menos Cristo, que era branco. Ainda assim ele foi preso, numa alusão à passagem bíblica em que ele é pego pelos guardas romanos.Em outra ala, os foliões colocavam em xeque posicionamentos que cristãos políticos adotaram nas últimas eleições. “Bandido Bom é Bandido Morto” trazia negros e pobres e “Vai Tacar Pedra?” se referia à comunidade LGBT.

    Por fim, diversas versões de Cristo crucificado foram retratadas: mulheres, LGBT’s negros, pobres, entre outros. O carro alegórico final trouxe Jesus ressuscitando em plena favela da Mangueira.

    O Twitter foi à loucura e colocou a agremiação entre os assuntos mais comentados da noite. Além da história bem contada, a bateria também fez sucesso ao misturar funk com o tradicional samba. A escola carioca, vencedora da última edição, é de fato uma das favoritas ao título deste ano.

    Confira um trecho do samba-enredo “A Verdade Vos Fará Livre”:

    Eu sou da Estação Primeira de Nazaré
    Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher
    Moleque pelintra no buraco quente
    Meu nome é Jesus da Gente

    Nasci de peito aberto, de punho cerrado
    Meu pai carpinteiro, desempregado
    Minha mãe é Maria das Dores Brasil

    Enxugo o suor de quem desce e sobe ladeira
    Me encontro no amor que não encontra fronteira
    Procura por mim nas fileiras contra a opressão
    E no olhar da porta-bandeira pro seu pavilhão
    E no olhar da porta-bandeira pro seu pavilhão



    O casal de empresários, Daniele e Mequinho ladeado das filhas, Ana Beatriz e Maria Júlia

    O tradicional baile de fantasia que ocorre já em sua terceira edição na casa do casal de empresários e amigos, Mequinho Lucas e Daniele Freire receberam a presença ilustre do prefeito operário, Arlindo Dantas.

    Arlindo estava acompanhado dos pré-candidatos, Figueiredo Varela e Daltro Emerenciano.

    A festa contou com a presença de familiares, amigos e convidados, além dos pretensos candidatos.

    Blogueiro Rudimar, Túlio Barbalho, Figueiredo, Márcio Freire, Arlindo Dantas, Cícero Macêdo e Mequinho
    Foto: ASCOM

    Alegria e música de qualidade não faltou no Carnaval de Parnamirim nesse domingo (23). Depois de um dia inteiro de muito samba e frevo, Dani Cruz abriu a programação da noite no palco da Praça São Sebastião, em Pirangi do Norte, onde também se apresentaram Deusa Nordestina do Forró, Khrystal e Isaque Galvão.

    Na Avenida Márcio Marinho, em Pirangi, uma multidão seguiu o trio com Ricardo Chaves, e o pranchão com o show de Som e Balanço e Pedro e Herick. No polo Cohabinal, as atrações eram Velhos Frevos, Dom Cardoso e seus Metais e Rildo, enquanto no polo Pium a cantora Clara iniciou a programação noturna, seguida de Seu Pereira e Coletivo, Sueldo Sores entre outras apresentações musicais.

    De acordo com o prefeito Rosano Taveira a festa atendeu as expectativas. “Estou muito satisfeito com o resultado. Uma programação diversificada em três polos diferentes, para agradar diferentes públicos. Festa segura sem ocorrências policiais relevantes. Os foliões podem festejar tranquilos em família ou entre amigos”, afirmou.

    A foliã Chirlene Guimarães veio de Patos da Paraíba para o Carnaval de Pirangi. “Todo ano eu venho com familiares e amigos. Estou achando ótimo e a cada ano a festa melhora”, declarou.

    O Prefeito Daniel Marinho começou seu carnaval como gosta, no meio do povo. É assim que o prefeito dar a resposta a seus adversários, enquanto uns o criticam sem nenhum fundamento ele vai até o povo e recebe a energia necessária para continuar mudando a realidade do nisiaflorestense.

    Eis alguns registros do prefeito que mais uma vez decide ficar perto de sua gente.

    Ouvindo as pessoas e tentando resolver as demandas…

    A cada seguimento ele mostra a competência no ouvir, mas acima de tudo, um prefeito de ação que resolve.

    Sem abrir mão de sua família, carrega para onde vai a experiência necessária para continuar administrando com maestria e mudando a vida de seus munícipes. Sempre ao lado dos pais, Cássia e Ricardo Marinho são esteios do jovem prefeito. Registro especial para a secretária particular do prefeito Daniel Marinho, nossa amiga deize Caralho.

    Sempre alegre e contagiante, Dona Cássia ao lado do esposo e da secretária particular do prefeito, caiu na folia..

    Sem deixar de fazer política ele registra o momento ao lado do vereador, Marcelo Mesquita…

    E é assim que tem sido esses anos, ao lado do povo e ouvindo os anseios e desejos de cada um dos munícipes que tem feito do prefeito Daniel Marinho o melhor prefeito que Nísia Floresta já teve.

    O cantor que arrasta multidões pelo Brasil, Xandy Avião, cantou neste sábado (22) no Carnaval da Cidade, que ocorre no Jockey Club de São Paulo, com assinatura do grupo Carvalheira.

    Teve alô especial para Caicó:

    – Meu coração está no Carnaval de Caicó.

    TRADICIONAL ZÉ PEREIRA ENCERRA TRADICIONAL CARNAVAL DE GOIANINHA

    O Zé Pereira encerrou o Carnaval de goianinha fazendo o resgate dos carnavais das décadas de 90 até hoje.

    Os foliões subiram a Avenida Rudson Lisboa ao som dos clássicos do Axé com @sergynhopimenta e terminaram com @pedroluccas que passou pelo funk, pop e sertanejo.

    Foi tão bom que já estamos pensando na festa de abril!

    A maquiadora profissional Ana Caroline Bastos contou que a tendência do momento são tons neon, cores quentes, vibrantes e bastante glitter.

    A maquiadora destacou que o glitter pode ser usado a vontade, na boca, no olho, nos detalhes da maquiagem, até mesmo no colo. “O folião pode ser o próprio sol em pessoa e brilhar no carnaval”, disse.

    Sobrancelhas

    Nas sobrancelhas use uma pasta modeladora na cor natural do seu pelo, fazendo a aplicação com o auxílio de um pincel. Esse tipo de produto fixa melhor que sobra e é resistente a transpiração.

    Olhos

    Em toda a pálpebra use a cor rosa e depois um laranja nas extremidades, aplique o pigmento com o auxílio de um pincel próprio para aplicação de sombra, depois esfume somente a cor laranja levando para os cantos externos dos olhos. Em seguida, faça um delineador com um lápis branco e aplique cola própria para glitter em todo o delineador, com o auxílio de um pincel faça aplicação do glitter.

    Na linha d’água, parte inferior do olho, passe um lápis branco que serve para manter o mais real possível a pigmentação da sobra que será aplicada. Para essa maquiagem use a cor laranja. Depois passe cola nos cílios, deixe secar por 30 segundos e cole próximo dos cílios naturais. Finalize com uma máscara para cílios.

    Contornos e lábios

    Nos contornos use a sombra laranja que foi usada no olho. Nos lábios, com o auxílio de um pincel use sombra na cor rosa depois passe um gloss incolor. A própria hidratação do gloss serve para fazer aplicação do glitter nos lábios.

    G1